Centro Cultural São Paulo recebe Festival VAI

SESSÃO SOLENE: GRUPO GLOBAL DE COMUNICAÇÃO
dezembro 12, 2019
Cates disponibilizam mais de 3.500 vagas de emprego
dezembro 16, 2019

Centro Cultural São Paulo recebe Festival VAI

O Festival VAI estará neste fim de semana no Centro Cultural São Paulo, apresentando uma vitrine de produções artísticas e culturais, com a finalidade de promover encontros e a possibilidade de fortalecimento de redes entre os coletivos contemplados pelo projeto.

A intenção é marcar essa data no calendário de eventos da cidade de São Paulo como o momento do ano para a celebração e a discussão dessa importante política, discutindo a cultura periférica, marginal, negra e LGBTQIA+. O Festival contou com inscrições por meio de um chamamento encaminhado para todos os contemplados da edição 2019 e anteriores. Inclusão, diversidade e protagonismo jovem e periférico estão refletidos nas propostas, que vão de literatura à performance, passando pela música, dança, teatro, audiovisual e tantas outras.

Confira a programação completa:

Sábado – 14/12/2019

Coletivo: Kizomba Yetu
Atividade: Workshop de Danças Angolanas (Kizomba/Semba)
O encontro terá uma duração de 3 horas: na primeira, se realizará uma aula básica de Kizomba/Semba, a seguir haverá a prática, ocasião que prevê a socialização à cultura angolana sob os ritmos de: Kizomba, Semba, Kuduro e Afro-House.
Linguagem: Dança
Horário: 14h
(Duração: 3h00)

Coletivo: Brincantes em Ação
Atividade: Dia do Brincar
O “Dia do Brincar” busca valorizar a autonomia das criações artísticas próprias da infância, a partir de atividades lúdicas, jogos teatrais e brincadeiras tradicionais.
Linguagem: Artes integradas
Horário: 15h
(Duração 02h00)

Coletivo: AGE Perifa
Atividade: Psicoeducação e empreendedorismo sustentável na periferia
Workshop que aborda a influência do auto-conhecimento na jornada empreendedora. E uma oficina de iniciação na fotografia. Das funções básicas de uma câmera DSLR a elaboração de um orçamento.
Linguagem: Empreendedorismo
Horário: 14h00
(Duração 3h00)

Coletivo: Rangers Força Urbana
Atividade: Espetáculo Jogando com as danças urbanas
Linguagem: Dança
Horário: 13h
(Duração 35min)

Coletivo Sementes
Atividade: Querem nos Enterrar, mas Somos Sementes!
O espetáculo “Querem nos Enterrar, mas Somos Sementes!” é um grito de alerta, um grito de resistência pela memória, pela verdade, pela liberdade e pela justiça, um espelho colocado diante da consciência da juventude da nossa cidade.
Linguagem: Teatro
Horário: 18h00
(Duração 1h00)

Coletivo Bichos da Terra
Atividade: Órkhis: Masculinidade em Discussão
Articular meios para discutir a necessidade da desconstrução da masculinidade e do machismo nos jovens da periferia da cidade
1 – (Roda de conversa) Vamos falar sobre masculinidades?
2 – (Oficina): Encontro Órkhis
Horário: 14h00
Duração: Roda de conversa 1h00
Oficina 1h00

Coletivo Pedra Rubra
Atividade: Performance Entre(V)Elas
Entre(v)elas é uma performance art com instalação. Trabalha o estado psicofísico dos artistas, a fim de discutir a situação da mulher nos dias atuais. Faz referência aos diversos tipos de dores que a mulher contemporânea sofre a partir da autobiografia das artistas.
Linguagem: Artes Integradas
Horário: 19h00
(Duração 45min)

Coletivo: Arquivo2
Atividade: O Canto de Odé
Odé, palavra em Yorubá que significa caçador(a), é a figura mística e juvenil, filho de Apaoká, que absorvendo as transformações herdadas por suas raízes afro-brasileiras, Indígenas e Africanas, nos convida a pensar, dançar e cantar a potencialidade de nossa existência.
Linguagem: Teatro
Horário: 20h00
(duração 1h30)

Coletivo: Grupo 011
Atividade: Em busca da revolução romântica
Os anos de chumbo são relembrados na cidade de Verona onde um grupo de guerrilheiros urbanos lutam contra o regime militar ditatorial. Eles passam por perseguições, torturas , trocas de identidades, paixões e mortes em busca pelos seus direitos. Essa é uma tentativa contar aquilo não estão nas músicas, na televisão e nem nos livros de história das escolas.
Linguagem: Teatro
Horário: 16h30
(Duração 1h00)

Domingo – 15/12/2019

Coletivo: Núcleo Sacada
Atividade: Cena do espetáculo de dança contemporânea “E o que restou da casa?” e uma oficina aberta de jogo cênico a partir de desenhos. O espetáculo trata da poesia de jovens de pais divorciados que vivem ou viviam em regiões periféricas. Logo após, haverá uma oficina, compartilhando partes do processo de criação do Núcleo Sacada.
Linguagem: Dança
Horário: 14h00
Duração Cena: 15min
Duração Oficina: 1h00

Coletivo: Sobre Viver
Atividade: Sobre Viver – Uma intervenção artística pela vida
Intervenção artística com a temática de prevenção ao suicídio.
Linguagem: Artes integradas
Horário: 15h00
(Duração 1h30)

Coletivo: Nise
Atividade: Nise Revolucionário do Engenho de Dentro
O espetáculo Nise Revolucionária do Engenho de dentro é uma rapsódia dividida em duas etapas dramatúrgicas; Vida da Dra Nise da Silveira e o encontro de um jovem garoto com a loucura e a esquizofrenia. O solo escrito, dirigido e atuado por Lucas Araújo, trás em sua virilidade carnal a revolução que a Dra Nise da Silveira fez nos tratamentos psicológicos e psiquiátricos no Brasil.
Linguagem: Teatro
Horário: 13h00
(duração 1h00)

Coletivo Telecatch a Ressurreição
Atividade: Telecatch – Luta-livre
Workshop para o público presente e um show de luta livre com a apresentação dos os novos personagens da luta livre brasileira.
Linguagem: Artes Circences
Horário: 15h30

Coletiva de Danos
Atividade: Performance
Estamos construindo uma peça para teatro de rua, somente entre mulheres, a partir da lenda amazônica “O boto cor de rosa” investigando intersecções com outras narrativas da cidade de São Paulo. Queremos abrir o processo ao publico e compartilhar um ensaio aberto onde possamos a partir do material poético, debater possíveis narratividades cruzadas para questionarmos, refletirmos sobre a sexualidade de jovens mulheres no hoje.
Horário: 16h
(duração 45min)

Coletivo: Arena do Flow
Atividade: Arena do Flow convida Haikaiis e Rico Dalasam (Encerramento do Festival)
Intervenção cultural urbana com a proposta de questionar, ampliar horizontes do senso crítico e transformar a vida cotidiana periférica, que ocorre mensalmente no bairro de Guaianases.
Horário: 17h30 até 21h30
Durante todo o evento
13, 14 e 15/12 – Das 14 às 22h

Coletivo: Fotografia Popular Brasileira
Atividade: Exposição Fotografia Popular Brasileira
Esse projeto surgiu da necessidade de viabilizarmos nossos trabalhos em fotografia de forma mais autônoma e financeiramente mais acessível. Para isso começamos uma investigação sobre materiais que pudessem ser utilizados em casa, evitando gastos com a contratação de gráficas especializadas em “impressão fine art”. Com o apoio do Programa VAI foi possível experimentar e desenvolver nossa própria técnica de impressão caseira — da qual desde 2014 ministramos oficinas gratuitas. Com ela utilizamos apenas uma impressora comum A4 para produzir impressões de grande formato. Por fim, reforçando nossa vontade de desenvolvermos um trabalho autenticamente negro e da zona leste, resolvemos fazer parcerias com serralheiros do próprio bairro para confeccionar molduras que dialogassem com a arquitetura vernacular da periferia.

Artes visuais
Coletivo: Capãonu
Exposição Capão
O Ateliê Aberto é resultado da produção realizada no Capãonu e conta com exposição de artes visuais, música e teatro de artistas, grupos, bandas e coletivos da região do Capão Redondo
Linguagem: Múltiplas linguagens

Coletivo: Amapolas
Atividade: Exposição de Livros Coletânea Sarau das Mina
O Livro Coletânea Sarau das Mina é uma obra construída por mulheres poetisas e ilustradoras de diversas regiões de São Paulo, aborda temas relacionados à luta da mulher marginal fazendo uma co-relação a reconexão com nossa raiz ancestral.
Linguagem: Livro e Literatura

Coletivo: Clã Inshinda
Atividade: Vípero: Mangá pra Representar
Contemplado pela 1ª vez pelo VAI em 2019 com o projeto Vípero: Mangá pra Representar, o Clã Inshinda mostrará o que já foi elaborado, por meio de desenhos, impressos e digitais, do 1º capítulo de Vípero, cujo intuito é desenvolver personagens diversificados e representativos para o público.
Linguagem: Livro e Literatura

Fonte: Prefeitura de São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *