Outubro Rosa: Câncer de mama em homens

Capital paulista recebe ações do projeto “Gol do Brasil”
outubro 7, 2019
Parques municipais recebem programação especial dedicadas as crianças
outubro 9, 2019

Outubro Rosa: Câncer de mama em homens

Outubro foi escolhido como o mês de conscientização sobre o câncer de mama, que atingiu cerca de 29,5% das mulheres em 2018, segundo pesquisa realizado pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA). Porém, deve-se compreender que o ele também afeta aos homens.

Normalmente ele se desenvolve em homens mais velhos – acima dos 60 anos – e pode ser mais frequente em homens cujas famílias apresentam muitos casos de câncer de mama (mesmo que em mulheres) e câncer de ovário.

Diagnóstico

Justamente por ser mais raro, não existe rastreamento de câncer de mama (ou seja, não fazemos mamografia de rotina neles), a não ser que cheguem ao médico com alguma queixa na mama. Portanto, o mais importante: que cada homem preste atenção ao seu corpo.

Ao primeiro sinal de uma caroço na mama, ou inchaço próximo do mamilo, ou secreção pelo mamilo, é bom agendar um médico. O aumento da mama no homem, ou mesmo o caroço, pode ser só uma ginecomastia – o que é mais comum –, que significa um aumento totalmente benigno da glândula mamária do homem, sem risco para câncer de mama.

Sintomas

  • Surgimento de um caroço próximo ao mamilo
  • Retração do mamilo
  • Dor unilateral na mama
  • Secreção pelo mamilo

Tratamento

Como a mama masculina é pequena e os nódulos são atrás do mamilo, geralmente não temos como fazer cirurgias conservadoras (que retiram apenas parte da mama). A cirurgia costuma ser a retirada de toda a mama com a aréola e o mamilo tendo de sair como margem de segurança (mastectomia total), com a cirurgia axilar (retirada de um gânglio – linfonodo sentinela – ou de vários gânglios da axila) no mesmo tempo cirúrgico.

Outros tratamentos podem ser necessários, como nas mulheres: quimioterapia, radioterapia, bloqueio dos hormônios. Tudo vai depender do tamanho do tumor e de suas características biológicas.

Fonte: A.C Camargo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *