Conheça mais do trabalho do Centro de Controle de Zoonoses de São Paulo

Começou a 19ª edição da Retrospectiva do Cinema Brasileiro
dezembro 7, 2018
Arena Bela Vista é revitalizada e entregue pelo Prefeito de São Paulo
dezembro 11, 2018

Conheça mais do trabalho do Centro de Controle de Zoonoses de São Paulo

A Divisão de Vigilância de Zoonozes (DVZ) de São Paulo é o órgão responsável pelo controle de agravos e doenças transmitidas por animais (zoonoses), através do controle de populações de animais domésticos (cães, gatos e animais de grande porte) e controle de populações de animais sinantrópicos (morcegos, pombos, ratos, mosquitos, abelhas entre outros).

Conquistou importância nacional e histórica pela excelência do trabalho produzido em diversas áreas e pela experiência bem sucedida transmitida a centenas de outros municípios do Brasil e exterior. É credenciado pelo Ministério da Saúde como “Centro de Referência Nacional para Zoonoses Urbanas” e pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como “Centro Colaborador para Treinamento e Pesquisa em Zoonoses Urbanas”.

Possui em sua estrutura laboratórios que realizam diagnóstico de zoonoses e de doenças transmitidas por vetores em humanos e animais, como, Dengue, Raiva, Leptospirose, Leishmaniose, Febre Maculosa, entre outras e, laboratório de identificação de animais sinantrópicos coletados no meio urbano.

Mantém programas permanentes de adoção de cães, gatos e animais de interesse econômico como equídeos. Oferece o ano todo vacinação contra raiva para cães e gatos gratuita em seu posto de vacinação permanente.

Animais Sinantrópicos

Animais sinantrópicos são aqueles que se adaptaram a viver junto ao homem, a despeito da vontade deste. Diferem dos animais domésticos, os quais o homem cria e cuida com as finalidades de companhia (cães, gatos, pássaros, entre outros), produção de alimentos ou transporte (galinha, boi, cavalo, porcos, entre outros). Os animais sinantrópicos, como todo ser vivo, necessitam de três fatores para sua sobrevivência: água, alimento e abrigo. A água não é fator limitante no nosso meio, mas podemos interferir nos outros dois fatores – alimento e abrigo – de modo que espécies indesejáveis não se instalem ao nosso redor.

Para tanto, é necessário conhecermos o que serve de alimento e abrigo para cada espécie que se pretende controlar e adotarmos as medidas preventivas, de forma a alcançar esse controle, mantendo os ambientes que freqüentamos mais saudáveis e evitando o uso de produtos químicos (os quais poderão eliminar não somente espécies indesejáveis, como também espécies benéficas, além de contaminar a água e o solo), que por si só não evitarão novas infestações.

Laboratório da Fauna Sinantrópica

São identificados pelo Laboratório da Fauna Sinantrópica, espécimes coletados no meio urbano (intra e extra domicilar) como aranhas, escorpiões, moscas, morcegos e pulgas, entre outros, de importância em Saúde Pública. Para todo o espécime identificado é fornecido um laudo onde constam as seguintes informações: nome científico, hábitos e importância médica e/ou econômica.

Estas informações contribuirão para as medidas de manejo que deverão ser adotadas para o controle desta fauna, se necessário, como também interar os indivíduos das relações do ambiente com a fauna existente no local. Realiza também o manejo ou controle de morcegos através do atendimento de reclamações da população quanto a problemas envolvendo estes animais, bem como a identificação dos espécimes de morcegos enviados por munícipes e instituições.

Para informações ou envio de material:

UVIS mais próxima
Centro de Controle de Zoonoses – CCZ
Atendimento 24 horas pelo plantão
Rua Santa Eulália, 86 – Santana

Laboratório de Fauna Sinantrópica
De 2ª a 6ª feira, das 8h às 17h
Rua Santa Eulália, 86 – Santana

Manejo/Controle de Quirópteros (morcegos)

De 2ª a 6ª feira, das 8h às 17h
Rua Santa Eulália, 86 – Santana

Laboratório de Zoonoses e Doenças Transmitidas por Vetores

Desempenha este papel executando o diagnóstico laboratorial (humano e de animais domésticos e silvestres), produzindo imunoreagentes, investindo em pesquisa de zoonoses emergentes e oferecendo treinamento no diagnóstico de zoonoses. Inicialmente projetado para contribuir no controle da epidemia de raiva que acometia a cidade naquele momento, o laboratório se constitui hoje no único da rede municipal especializado em diagnóstico de zoonoses. É formado por uma equipe multiprofissional que, além das atividades rotineiras inerentes ao diagnóstico, também desenvolve projetos de pesquisa aplicada em zoonoses, em parceria com Universidades.

Presta serviços diretamente ao munícipe, às instituições públicas e privadas de saúde (laboratórios, clínicas veterinárias, hospitais, unidades de saúde, etc.), às instituições de ensino e pesquisa e às unidades de controle de zoonoses.

Vigilância Zoosanitária

Dentro do programa de prevenção de zoonoses urbanas, foi implantado em 1987 o serviço de Vistoria Zoossanitária, que tem como objetivo diminuir os riscos à saúde humana, ocasionadas pela convivência homem-animal inadequada, bem como evitar que os animais sejam submetidos a abusos ou maus tratos. Com exemplo: criação de número excessivo de cães ou gatos (por lei é permitido até 10 animais por domicílio) ou criados em condições inadequadas de higiene, ou presença de entulho ou alimento que favoreça a infestação por animal sinantrópico, entre outros.As atividades são desencadeadas com base nas solicitações encaminhadas pela população em geral, órgãos públicos e outros (Associações Protetoras de Animais, Associação de Moradores, Delegacia do Meio Ambiente, Ministério Público entre outros).

Denúncias: Central de Atendimento da Prefeitura: disque 156.

Para saber mais informações, leia nossa matéria sobre Informações importantes sobre os animais domésticos.

Fonte: Prefeitura de São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *