IMIRIM: 185 ANOS

SESSÃO SOLENE: LÍDERES COMUNITÁRIOS
maio 11, 2018
Palestra sobre violência contra a mulher na CMSP
maio 14, 2018

IMIRIM: 185 ANOS

O nome do bairro originou-se da junção de duas palavras tupis: “y”, que significa “rio”, e mirim, que significa “pequeno”. Portanto, “Imirim” significa “rio pequeno”, sendo uma referência ao córrego homônimo que banha o bairro (hoje, subterraneamente).

O bairro na sua maior parte, pertence ao distrito da Casa Verde, mas também possui territórios em Santana, Mandaqui e Cachoeirinha.

No começo do século, o local era coberto por matas e alguns índios persistiam em viver pelas imediações, por esse motivo, o bairro ficou conhecido até a década de 1950 como “Terra dos Índios”.

Em 1833, duas primeiras famílias se instalaram na região, foram os Rocchi que tinham grandes fazendas que abrangiam parte das encostas da Serra da Cantareira e se estendiam até o rio Jundiaí. Eles plantavam eucaliptos, café, cana e frutas, além de criarem gado leiteiro.

Na época não havia perspectivas de desenvolvimento urbano para a região, passando a ser a partir do final do século (1893) quando de uma das antigas fazendas surgiu à chamada Vila Roque.

Quando o bairro veio a se chamar Imirim até a década de cinquenta a região era praticamente uma área rural.

Em 1905 chegaram ao bairro os padres beneditinos, Benedito Zeferino Rosalém e o Constantino Dalbedio, sendo que este último foi o grande idealizador e construtor da Igreja de Nossa Senhora de Fátima do Imirim e após os imigrantes portugueses nas décadas de 60 e 70.

O fato marcante para o desenvolvimento da região foi a inauguração do Cemitério de Santana (Chora Menino) que se tornou ainda mais conhecido através da linha de ônibus Imirim-Itaim da CMTC, hoje extinta que ligava a Zona Norte à Zona Sul.

Neste século houve a chegada de muitos imigrantes japoneses e lituanos por conta da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). A comunidade lituana se concentrou na parte central do bairro, ao sul do Córrego Imirim, que, hoje, corre sob a Avenida Engenheiro Caetano Álvares.

A comunidade armênia veio para o bairro após crises sociais em seu país, como o genocídio armênio pelos turcos otomanos no começo do século XX.

O Imirim limita-se ao norte com Vila Nova Cachoeirinha, a oeste com Casa Verde e Sítio do Mandaqui, a leste com Lauzane Paulista, Santa Terezinha e ao sul com os bairros de Santana e Chora Menino.

O bairro começa aproximadamente no trecho inicial da Avenida Imirim, após o Cemitério Chora Menino e termina na mesma avenida antes do Cemitério de Vila Nova Cachoeirinha.

Para os momentos de lazer, uma ótima opção é o Parque Estadual Alberto Lögfren, também conhecido como Horto Florestal, localizado nas proximidades. Além de extensa área de mata atlântica preservada, o espaço conta com campo de futebol, pista de caminhada, trilhas e fontes de água mineral.

Fontes: Prefeitura de São Paulo, SP Bairros, Gazeta Zona Norte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *