Saúde: Hanseníase

Casas de Mediação: Saiba mais
abril 23, 2018
Plataformas online auxiliam nos estudos
abril 25, 2018

Saúde: Hanseníase

A hanseníase é uma doença crônica e infectocontagiosa. Essa bactéria tem a capacidade de infectar grande número de pessoas, no entanto poucos adoecem. A doença acomete principalmente pele e nervos periféricos (parte do sistema nervoso que se encontra fora do sistema nervoso central), podendo levar a sérias incapacidades físicas.

Exposição à doença

A princípio a doença é manifestada somente em humanos, mas existem casos de animais infectados (o tatu, o macaco mangabei e o chimpanzé). Sua incidência é maior em homens. Normalmente é adquirida na infância. Seus maiores fatores de risco são: má higienização e contato com animais.

Classificação da Hanseníase

  1. Paucibacilar

Hanseníase indeterminada: estágio inicial da doença, com um número de até cinco manchas de contornos mal definidos e sem comprometimento neural.

Hanseníase tuberculoide: manchas ou placas (quando se estende em superfície por vários centímetros) bem definidas, com um nervo comprometido. Pode ocorrer neurite (inflamação do nervo).

  1. Multibacilar

Hanseníase borderline ou dimorfa: manchas e placas, às vezes bem ou pouco definidos, com comprometimento de dois ou mais nervos, e ocorrência de quadros reacionais com maior frequência.

Hanseníase virchowiana: forma mais conhecida da doença. Há dificuldade para separar a pele normal da danificada, podendo comprometer nariz, rins e órgãos reprodutivos masculinos. Pode haver a ocorrência de neurite e eritema nodoso (nódulos dolorosos) na pele.

Transmissão

A hanseníase é transmitida pelo bacilo de Hansen, causador da doença. Trata-se de uma bactéria que está presente em secreções nasais e gotículas de tosse, espirro e fala de pessoas com hanseníase. Por isso a doença é considerada contagiosa. O seu tempo de incubação (contato até a manifestação dos primeiros sintomas) é em média, de dois a sete anos. Há referências com períodos mais curtos, de sete meses, como também os mais longos, de 10 anos.

Sintomas

  • Manchas esbranquiçadas, avermelhadas ou amarronzadas, em qualquer parte do corpo, com perda ou alteração de sensibilidade térmica (ao calor e frio), tátil (ao tato) e à dor, que podem estar principalmente nas extremidades das mãos e dos pés, na face, nas orelhas, no tronco, nas nádegas e nas pernas;
  • Área de pele seca e com falta de suor, com queda de pelos, especialmente nas sobrancelhas; sensação de formigamento;
  • Dor e sensação de choque, fisgadas e agulhadas ao longo dos nervos dos braços e das pernas, inchaço de mãos e pés; diminuição da força dos músculos das mãos, pés e face devido à inflamação de nervos, que nesses casos podem estar engrossados e doloridos;
  • Úlceras de pernas e pés; caroços (nódulos) no corpo, em alguns casos avermelhados e dolorosos; febre, edemas e dor nas juntas; entupimento, sangramento, ferido e ressecamento do nariz; ressecamento nos olhos.

Diagnóstico

Médicos indicados para os primeiros diagnósticos:

  • Clínico geral
  • Infectologista
  • Dermatologista

O diagnóstico é realizado por meio do exame geral e dermato-neurológico (para peles e nervos) para identificar lesões ou áreas de pele com alteração de sensibilidade, comprometimento de nervos periféricos, com alterações sensitivas, motoras ou autonômicas.

Tratamento

É fornecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS) de forma gratuita. Varia de seis meses a um ano dependendo do caso, podendo ser prorrogado ou feito à substituição da medicação em casos especiais. O tratamento é eficaz e cura. É via oral e poliquimioterápico (usa-se mais de dois medicamentos, popularmente conhecido como coquetel).

Prevenção

A doença é curável. Entretanto, é importante ficar atento e perceber os primeiros sinais e sintomas da hanseníase para que ela seja tratada o mais rápido possível. A prevenção da hanseníase baseia-se no exame dermato-neurológico e aplicação da vacina BCG em todas as pessoas que compartilham o mesmo domicílio com o portador da doença.

Vacina BCG

Cria imunidade e age contra as infecções. Para as pessoas que convivem no mesmo domicílio com o portador da doença.

Campanhas

Janeiro roxo: O dia 29 de janeiro é lembrado como o Dia Internacional do Hanseniano.

Para mais informações, clique aqui.

Fonte: Ministério da Saúde, Minha Vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *