Risco de Febre Amarela fecha parques da Zona Norte de São Paulo

Novos sistemas de fiscalização são implantados em vias da Capital
novembro 1, 2017

Risco de Febre Amarela fecha parques da Zona Norte de São Paulo

UBS iniciam campanha de prevenção contra a doença

O Horto Florestal, parque localizado na zona norte de São Paulo está temporariamente fechado à visitação. O motivo foi a morte de um macaco por febre amarela encontrado dentro do Parque.  

A febre amarela é transmitida por uma espécie de mosquito comum em áreas da África e da América do Sul. Os casos leves causam febre, dor de cabeça, náuseas e vômitos. Os casos graves podem causar doenças cardíacas, hepáticas, renais e podem ser fatais. Não existe um tratamento específico para a doença, mas o controle dos sintomas e na limitação das complicações.  

A Secretária da Saúde e do Meio Ambiente iniciou uma ação de prevenção contra a febre amarela em humanos e disponibilizou vacinas contra a doença em Unidades Básicas de Saúde (UBS) da região próxima ao Parque.  

Confira aqui a lista de endereços e telefones das UBS que estão vacinando. 

Atualmente, em torno de 15 parques da estão fechados, porém, de acordo com a Coordenação de Vigilância em Saúde (COVISA), a medida é preventiva e não foram registrados casos de pessoas infectadas no município de São Paulo. Todos os casos relatados no Brasil são de febre amarela silvestre, transmitida pelos mosquitos Haemagogus e Sabethes, só encontrados em lugares de mata. A febre amarela urbana (que envolve o homem e tem como vetor potencial para transmissão o Aedes aegypti) não circula no país desde 1942. 

A vacina de prevenção é dose única e pode ser tomada a partir dos nove meses de idade. 

 

Quem não pode tomar a vacina e/ou que tem restrições que precisam ser avaliadas? 

  • Crianças menores de 9 meses 
  • Gestantes 
  • Mulheres amamentando crianças menores de 6 meses 
  • Pessoas com câncer em uso de quimioterapia e/ou radioterapia 
  • Transplantados de órgãos sólidos e/ou medula óssea 
  • Uso de corticoide com dose imunossupressora 
  • HIV e qualquer doença imunossupressora 
  • Uso de medicamentos imunossupressores 
  • Miastenia Gravis 
  • Doenças do Timo 
  • Lúpus 
  • Doença de Addison 
  • Artrite reumatoide 
  • Alergia grave ao ovo e derivados da galinha

Fonte: Secretaria Municipal de Saúde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *